Mais pobres sofrem mais com baixa no auxílio emergencial e alta dos alimentos

Brasileiros de baixa renda caem nas margens de extrema pobreza com cortes aplicados pelo governo. Ao longo das próximas semanas, o Ministério da Cidadania dará continuidade ao pagamento do auxílio emergencial. No entanto, com a redução na mensalidade e aumento no preço dos alimentos, muitos beneficiários ainda passarão fome.

Mais pobres sofrem mais com baixa no auxílio emergencial e alta dos alimentos (Imagem: Reprodução/Veja)
Mais pobres sofrem mais com baixa no auxílio emergencial e alta dos alimentos (Imagem: Reprodução/Veja)

Há mais de um ano o governo federal vem liberando as mensalidades do auxílio emergencial. Apesar da iniciativa parecer positiva, ainda vem sendo vista como insuficiente para parte significativa da população.

Após o corte de R$ 1.200 para R$ 375, os segurados de menor renda não conseguem manter suas despesas.

Porque o auxílio emergencial foi cortado?

O principal motivo no reajuste do auxílio se deu mediante as dificuldades do governo de fechar sua folha orçamentária. Quando ofertado em 2020, na primeira rodada, o benefício tinha um valor mínimo de R$ 600 e máximo de R$ 1.200.

Já atualmente, o pagamento varia entre R$ 150 e R$ 375, sendo claramente insuficiente para a manutenção das despesas domésticas. É válido ressaltar que os principais critérios de concessão do auxílio exigem que o cidadão não tenha outra fonte de renda declarada.

Isso significa dizer que o governo tem ciência de que o beneficiário que recebe apenas R$ 150 ou R$ 375 não poderá manter as contas em dia, ou garantir direitos básicos como alimentação e moradia.

Inflação no preço dos alimentos

Além da redução no valor do auxílio, o cidadão precisa ainda encarar o aumento no preço dos alimentos. Produtos básicos como feijão, arroz, carne, frutas, verduras e até mesmo ovos estão sendo comercializados muito acima da média dos preços.

Há ainda aumento no valor do botijão de gás, as contas de energia estão com bandeira vermelha ficando 50% mais caras e demais despesas.

De acordo com os relatórios do Dieese, atualmente o brasileiro precisa receber ao menos 4 vezes o atual salário mínimo (R$ 1.100) para manter uma família de quatro pessoas com todos os direitos básicos: alimentação, saúde, educação e moradia.

No entanto, a realidade é totalmente distinta e há milhares de cidadãos nas margens da pobreza e da extrema pobreza.

Você gostou deste conteúdo? AVALIE:

Avaliação média: 5
Total de Votos: 3

Mais pobres sofrem mais com baixa no auxílio emergencial e alta dos alimentos

Eduarda Andrade
Maria Eduarda Andrade é mestranda em ciências da linguagem na Universidade Católica de Pernambuco, formada em Jornalismo pela mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguística, com foco na Análise Crítica do Discurso. No mercado de trabalho, passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de assessorar marcas nacionais como Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR.
×

Este cartão de crédito sem anuidade está selecionando pessoas para receber possível limite agora!

VER AGORA