Microempresas sofrem com juros bancários 6 vezes maiores que grandes negócios

No ano passado, os Microempreendedores Individuais (MEIs) e as microempresas pagaram 6 vezes mais juros bancários do que as grandes empresas. Os dados, apurados pelo Uol, são do Banco Central e fazem parte do levantamento Panorama de Crédito para Empresas no Brasil, do Sebrae.

Microempresas sofrem com juros bancários 6 vezes maior que dos grandes negócios
Microempresas sofrem com juros bancários 6 vezes maior que dos grandes negócios (Imagem: Gerd Altmann/Pixabay)

Ao considerar as pequenas empresas, os juros médios anuais bancários pagos foram 4,4 vezes maiores em 2020. O levantamento também indicou que a taxa média cobrada das grandes empresas foi de 6,5%. Os MEI pagaram 38,5%. Já as microempresas pagaram 38,9%.

Este levantamento do Sebrae leva em consideração dados entre 2012 e 2020. O ano que teve as maiores taxas foi 2016. Na ocasião, a diferença de juros entre os Microempreendedores Individuais e grandes empresas era ainda maior. Os MEIs pagavam juros 7 vezes maiores — 69,3%, contra 9,9% em grandes.

Segundo o professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Paulo Ribeiro, os juros cobrados pelos bancos das empresas de menor porte são maiores devido ao alto risco de calote comparado às grandes empresas.

MEIs e microempresas tiveram maior taxa média de calotes

O levantamento indicou que os MEIs e microempresas tiveram a taxa média de calotes sete vezes maior que das grandes empresas. Já a taxa média das pequenas empresas foi quase quatro vezes acima em 2020. A taxa de inadimplência das empresas foi de:

  • Microempresas: 7,2%
  • MEIs: 7,1%
  • Pequenas empresas: 3,7%
  • Médias empresas: 2%
  • Grandes empresas: 1%

De acordo com Paulo Ribeiro, o que faz com que uma empresa tenha capacidade de tomar crédito mais barato são as iniciativas que elevam o nível de garantia nas operações. Ele alega que quanto pior a garantia, maior a taxa de juros.

O economista afirma que o Banco Central tem medido esforços para mudar este cenário. A autoridade monetária definiu regras para registro de recebíveis de vendas com cartão — valor que entrará nas pequenas empresas.

Pequenas empresas aumentaram os empréstimos

O volume de crédito para as microempresas teve alta de 51,5% no ano passado, ao comparar com 2019, segundo a Febraban. Para as firmas pequenas, o crescimento foi de 37,7%.

Na comparação entre fevereiro e dezembro do ano passado, a entidade revelou que a taxa média de juros nas operações de crédito livre para empresas diminuiu de 17% para 11,7%.

Você gostou deste conteúdo? AVALIE:

Avaliação média: 0
Total de Votos: 0

Microempresas sofrem com juros bancários 6 vezes maiores que grandes negócios

Silvio Souza
Silvio Suehiro Souza é formado em Comunicação Social - Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes (UMC). Possui experiência em produção textual e, atualmente, dedica-se à redação do FDR produzindo conteúdo sobre economia.
×

Este cartão de crédito sem anuidade está selecionando pessoas para receber possível limite agora!

VER AGORA