Seu FGTS estava aplicado na Petrobras? Veja como reagir as mudanças na Bolsa

A alteração feita pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, na gestão da Petrobras fez as ações da empresa despencarem. De acordo com o portal O Globo, na segunda-feira (22), houve uma desvalorização de mais de 20% com a anúncio do nome do novo indicado ao comando da estatal.

Seu FGTS estava aplicado na Petrobas? Veja como reagir as mudanças na Bolsa
Seu FGTS estava aplicado na Petrobras? Veja como reagir as mudanças na Bolsa (Imagem: Google)
publicidade

Quem usa parte do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para comprar cotas dos fundos FGTS-Petrobras está sim prejudicado. Em entrevista ao portal citado, especialistas pontuaram que a decisão de sair ou não do investimento deve está alinhado com o potencial de valorização futura da mesma.

“O investidor deve sair da renda fixa e ir para a renda variável quando acredita que mesmo a ação de uma empresa dará mais retorno no longo prazo que a renda fixa. Então, tudo depende do tempo que a pessoa tem para esse investimento e a sua perspectiva dele”, afirma Valter Police, planejador financeiro.

De acordo com o especialista, o momento não é de estabilidade e as oscilações podem afetar ainda mais aqueles que precisam do recurso a curto prazo.

“Em geral não é recomendado sair quando se tem uma grande força de queda, mas também não se deve ficar em renda variável quando se pretende usar os recursos no curto prazo”, explica.

Gustavo Cruz, estrategista da RB Investimentos, considera que a situação envolvendo a Petrobras já passou do ponto para os investidores. Por isso, quem está dentro, deve avaliar se realmente quer sair, já que a queda já aconteceu e o futuro é incerto.

“Acredito que qualquer movimentação por conta do desgaste com a Petrobras já parece um tanto tardio. O ideal seria acompanhar como vai ser a condução da companhia agora. Usualmente, o mercado reage no começo de forma mais intensa do que o movimento se prova no final”, analisa.

“Agora é o momento do maior estrago, e olhando para o longo prazo, ainda não há nada que nos leve a achar que a Petrobras será uma empresa menos competitiva com as reservas do pré-sal que ela tem. E se a alternativa é ir para o FGTS, com retorno muito baixo, que não deve cobrir a inflação, é melhor ficar e não realizar a perda”, instrui Pedro Paulo Silveira, economista-chefe da Nova Futura Investimentos.

Isabela VeríssimoIsabela Veríssimo
Isabela Veríssimo é jornalista formada pela Universidade Católica de Pernambuco (UNICAP) com passagens por redações, desde 2016, como o Diario de Pernambuco, Jornal do Commercio e Rede Globo. Atualmente dedica-se à redação de economia do portal FDR.