Auxílio emergencial: Aumento dos casos de Covid-19 despertam interesse em prorrogar parcelas

Pontos-chave
  • A Europa está vivendo a segunda onde de infecção do novo coronavírus;
  • Aqui no Brasil ela deve chegar em torno de dezembro e janeiro;
  • Com isso, muito tem sido especulado sobre novos pagamentos do auxílio emergencial.

O governo brasileiro está observando com atenção a segunda onda de contágio do novo coronavírus que está se manifestando na Europa e nos Estados Unidos (EUA). Existe a possibilidade dessa onda chegar no país entre os meses de dezembro e janeiro. A situação não descarta a necessidade da prorrogação do auxílio emergencial para os mais vulneráveis. 

Auxílio emergencial: Aumento dos casos de Covid-19 despertam interesse em prorrogar parcelas
Auxílio emergencial: Aumento dos casos de Covid-19 despertam interesse em prorrogar parcelas (Foto: Google)

Apesar disso, alguns membros da equipe econômica estão entendendo essas medidas de alguns países europeus que estão decretando, outra vez, isolamento social não vai ser adotada no país de forma generalizada.

Com a intenção de preservar a economia, os técnicos da equipe econômica estão sugerindo que seja realizado um isolamento vertical, restrito a pessoas que fazem parte do grupo de risco, como idosos ou com comorbidades.

Caso isso se confirme, o governo deve continuar pagando o auxílio emergencial, porém, o valor pago será de R$300. E apenas as pessoas vulneráveis e de setores que eventualmente forem prejudicados poderão receber.

A intenção do governo é evitar repetir os erros que foram cometidos quando o auxílio começou a ser pago em março, sem um cadastro confiável, o que acabou levando a fraudes.

A expectativa é que os casos de contaminação aumentem aos poucos conforme as atividades econômicas vão sendo ampliadas, mas as mortes devem ser menores do que as registradas no começo da pandemia.

O que vai acontecer se tiver a 2ª onda?

Auxílio emergencial: Aumento dos casos de Covid-19 despertam interesse em prorrogar parcelas
Auxílio emergencial: Aumento dos casos de Covid-19 despertam interesse em prorrogar parcelas (Imagem: Reprodução Google)

Em uma audiência realizada na manhã desta quinta-feira (29), o ministro da economia Paulo Guedes informou que se o Brasil tiver que enfrentar uma segunda onda de contaminações causadas pelo novo coronavírus, o governo vai agir da mesma forma que na primeira.

“Se vier uma segunda onda, vamos trabalhar da mesma forma, tão decisiva quanto a primeira. Vamos ter que reagir, vamos corrigir erros ou excessos que tenhamos cometido no primeiro enfrentamento. Mas eu confio na democracia brasileira”, disse.

Os técnicos da equipe econômica fizeram uma avaliação e concluíram que o auxílio emergencial acabou virando um instrumento de distribuição de renda, um Bolsa Família turbinado.

Tendo isso em vista, a ideia é que os programa sociais que já existem no país sejam unificados, para focalizar melhor o abono salarial e outros benefícios, criando um programa permanente de renda mínima.

Auxílio emergencial

O auxílio emergencial é uma ajuda do governo que foi criada para diminuir os impactos causados pelo novo coronavírus.

Quem recebe?

Os trabalhadores informais, autônomos, desempregados, microempreendedores individuais e pessoas de baixa renda durante a pandemia do novo coronavírus.

Qual o valor?

Inicialmente, o auxílio emergencial iria pagar apenas três parcelas de R$600, mas com a pandemia longe de acabar, o governo prolongou o pagamento do benefício por mais duas parcelas. 

Mais tarde, foram autorizadas adicionais no valor de R$300 em mais quatro parcelas, ou até o mês de dezembro.

Como receber?

Os trabalhadores recebem por meio da Poupança Social Digital, uma conta poupança criada pela Caixa, podendo ser movimentada por meio do aplicativo Caixa TEM.

Aqueles que receberem o crédito do auxílio por meio da conta digital podem efetuar transferências ilimitadas entre contas da Caixa ou realizar gratuitamente até três transferências para outros bancos a cada mês, pelos próximos 90 dias. 

Além disso, podem pagar boletos e contas de água, luz, telefone, entre outras. E fazer compras online. 

Quem vai receber a prorogação do auxílio emergencial?

Vão receber aqueles que:

  1. a) ter mais de 18 anos;
  2. b) Estar desempregado ou exercer atividade na condição de:

– Microempreendedores individuais (MEI);

– Contribuinte individual da Previdência Social;

– Trabalhador Informal.

  1. c) Pertencer à família cuja renda mensal por pessoa não ultrapasse meio salário mínimo  (R$ 522,50), ou cuja renda familiar total seja de até 3 (três) salários mínimos (R$ 3.135,00).

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Jheniffer Freitas
Jheniffer Aparecida Corrêa Freitas é formada em Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes. Atuou como assessora de imprensa da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo e da Secretarial Estadual da Saúde de São Paulo. Atualmente, é redatora do portal FDR, produzindo pautas sobre economia popular e finanças.
×

Este cartão de crédito sem anuidade está selecionando pessoas para receber possível limite agora!

VER AGORA