PL cria valor EXTRA ao salário do Bolsa Família nos casos específicos; confira

Beneficiários do Bolsa Família poderão receber acréscimos financeiros a partir do mês de janeiro. Um projeto de lei está tramitando na Câmera dos Deputados com a finalidade de ofertar recursos para os cidadãos em situação de pobreza. A pauta sugere, entre outras coisas, um abono mensal de R$ 60 para famílias com crianças e adolescentes durante a suspensão das aulas. Para quem teve parentes infectados com covid-19, o valor chegaria a ser de R$ 200.   

PL cria valor EXTRA ao salário do Bolsa Família nos casos específicos; confira (Imagem: Google)
PL cria valor EXTRA ao salário do Bolsa Família nos casos específicos; confira (Imagem: Google)

Estando cada vez mais próximo do fim do auxílio emergencial, deputados, senadores e demais representantes públicos deram início a elaboração de novas propostas sociais que tenham como finalidade ofertar renda para os brasileiros em situação de pobreza. Um dos projetos em andamento deseja aumentar os recursos ofertados pelo Bolsa Família.  

Projeto de Lei 690/20 deseja conceder uma série de pagamentos extras para quem está em situação de vulnerabilidade social.

Os valores e acréscimos variam de acordo com a realidade de cada família, levando em consideração a existência de crianças, enfermos, atividades de saúde e educação.  

Propostas de reajusta 

Para quem tem filhos com atividades escolares suspensas, o projeto pretende conceder uma parcela de R$ 60 (a partir do mês de janeiro) por criança. No caso dos estudos em tempo integral o valor seria dobrado.  

A segunda sugestão é uma parcela de R$ 100 por família para quem tem pessoas que fazem parte do grupo de risco do covid-19. Elas devem ser orientadas a permanecer em isolamento domiciliar sob tal respaldo financeiro.  

Por fim, para quem teve covid-19, o governo deveria pagar um valor de R$ 200 durante o tratamento da doença. O familiar hospitalizado deverá receber a quantia, por meio de seus dependentes, para ajudar no processo de recuperação.  

“Essas medidas visam combater a redução da renda familiar que necessariamente acompanha o processo de emergência em saúde pública. Os benefícios propostos não são, nos termos da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), despesa obrigatória de caráter continuado, porque não há a obrigação legal de execução por um período superior a dois exercícios”, afirmaram os autores, a deputada Perpétua Almeida (PCdoB-AC) e outros seis parlamentares. 

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Eduarda Andrade
Maria Eduarda Andrade é mestranda em ciências da linguagem na Universidade Católica de Pernambuco, formada em Jornalismo pela mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguística, com foco na Análise Crítica do Discurso. No mercado de trabalho, passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de assessorar marcas nacionais como Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR.
×

Este cartão de crédito sem anuidade está selecionando pessoas para receber possível limite agora!

VER AGORA