Enviou a declaração do IR 2020? Não esqueça de guardar esses documentos

No próximo dia 30 de junho encerra o prazo para que os contribuintes realizem o processo de declaração do IR 2020 (Imposto de Renda). Com isso, alguns já enviaram a Receita Federal todas as informações necessárias.

Enviou a declaração do IR 2020? Não esqueça de guardar esses documentos (Montagem/FDR)
Enviou a declaração do IR 2020? Não esqueça de guardar esses documentos (Montagem/FDR)

Após realizar este envio é importante ficar atento no arquivamento de documentos usados. A Receita Federal informa que recomenda-se guardar a documentação que foi enviada por no mínimo 5 anos.

Isto porque a Receita poderá solicitar posteriormente os comprovantes e justificativas sobre as informações apresentadas. Especialistas apontam que caso haja alguma divergência, a apresentação dos comprovantes será necessária.

Os principais documentos que devem ser guardados após o envio da declaração do IR 2020, são:

  • Informes de rendimento fornecidos pela empresa empregadora e pelos banco;
  • A cópia do arquivo que foi enviado à Receita na IR 2020;
  • Todos os comprovantes das despesas informadas pelo contribuinte.

Todos eles devem ser os originais, caso sejam cópias, as mesmas devem estar autenticadas. O procedimento é necessário, para evitar que haja questionamentos dos auditores fiscais.

Confira a documentação completa para declaração do IR 2020

  • Informes de rendimentos de instituições financeiras, inclusive de corretora de valores;
  • Dados da conta bancária para restituição ou débitos das cotas de imposto apurado, se houver;
  • Cópia da última Declaração de Imposto de Renda Pessoa Física (completa) entregue.
  • Informes de rendimentos de salários, pró-labore, distribuição de lucros, aposentadoria, pensão, etc.;
  • Informes de rendimentos de aluguéis de bens móveis e imóveis recebidos de pessoa jurídica;
  • Informações e documentos de outras rendas recebidas no ano de 2018, como rendimento de pensão alimentícia, doações, heranças recebidas no ano, entre outras;
  • Resumo mensal do livro caixa com memória de cálculo do carnê-leão, se houver;
  • DARFs de carnê-leão.
  • Documentos que comprovem a posse, compra e/ou venda de bens e direitos, como veículos e imóveis.
  • Comprovantes de dívidas e ônus
  • Informações e documentos de dívida e ônus contraídos e/ou pagos no período.
  • Controle de compra e venda de ações, inclusive com a apuração mensal de imposto;
  • DARFs de renda variável.
  • Recibos de pagamentos ou informe de rendimento de plano ou seguro saúde (com CNPJ da empresa emissora e a indicação do paciente);
  • Despesas médicas e odontológicas em geral (com CNPJ da empresa emissora ou CPF do profissional e com indicação do paciente);
  • Comprovantes de despesas com educação (com CNPJ da empresa emissora com a indicação do aluno);
  • Comprovante de pagamento de Previdência Social e previdência privada (com CNPJ da empresa emissora);
  • Recibos de doações efetuadas;
  • GPS (ano todo) e cópia da carteira profissional de empregado doméstico, quando houver;
  • Comprovantes oficiais de pagamento a candidato ou partido político.

Com informações do G1

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

REDAÇÃO
Cobertura e repercussão de assuntos que impactam o bolso de todos os brasileiros. A redação do FDR.com.br traz diariamente assuntos relevantes de uma forma descomplicada e confiável.