Covid-19 é considerada doença ocupacional; saiba o que significa!

Foi decidido pelo STF (Supremo Tribunal Federal) através de uma videoconferência na última semana, a suspensão de dois dispositivos da MP 927 que permitia que os empregadores tomassem decisões excepcionais para manter o emprego de seus funcionários durante a pandemia do Covid-19.

Covid-19 é considerada doença ocupacional; saiba o que muda!
Covid-19 é considerada doença ocupacional; saiba o que muda! (Foto Google)

Deixaram de valer os artigos 29, que dizia que a contaminação pelo coronavírus não poderia ser considerada doença ocupacional, e o 31 que restringia o trabalho de auditores fiscais como apenas orientadores.

O martelo foi batido durante a análise de uma medida liminar em sete ações diretas de inconstitucionalidade (ADI) apresentadas contra a medida do governo federal.

Segundo os ministros, seguindo divergência aberta pelo Ministro Alexandre de Moraes, os dois artigos suspensos não correspondem com a finalidade da medida que é a de manter os vínculos trabalhistas e também manter as empresas.

Alexandre disse que não classificar casos de contaminação por coronavírus como ocupacionais, e exigir que o trabalhador comprove culpa da empresa pela infecção, seria uma ofensa aos trabalhadores de atividades essenciais, que estão diariamente expostos ao risco de contágio.

Decisão protege mais os trabalhadores

É importante entender o que é considerado doença ocupacional ou não. De forma geral, para a grande parte das atividades, fica sob responsabilidade do empregado comprovar que algum problema de saúde que ele vir a sofrer, é resultado de seu trabalho. Já nos casos definidos por lei como atividades de risco, é o empregador que deve provar a responsabilidade ou não pelo problema causado.

Joel Gallo, advogado trabalhista, acredita que a análise do STF vai causar uma discussão sobre o que pode ser considerado atividade de risco em meio a pandemia, já que temos pessoas trabalhando neste período e também trabalhadores que estão na linha de frente do combate ao Covid-19, como enfermeiros e médicos.

Claudia Abdul, também advogada trabalhista, acredita que a decisão do STF protege o empregado. Para ela a MP927 como estava, protegia o empregador.

Para ela, a decisão do Supremo acarreta uma insegurança para as empresas, mas pode causar ao mesmo tempo, uma maior preocupação dos empregadores em seguir as recomendações de prevenção ao coronavírus.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Paulo Amorim
Paulo Henrique Oliveira é formado em Jornalismo pela Universidade Mogi das Cruzes e em Rádio e TV pela Universidade Bandeirante de São Paulo. Atua como redator do portal FDR, onde já cumula vasta experiência e pesquisas, produzindo matérias sobre economia, finanças e investimentos.