Governo vai gastar R$900 mi para pagar conta de luz de quem é baixa renda

O avanço do novo coronavírus trouxe grandes perdas na economia das famílias. Por conta disso, o governo se viu obrigado a criar medidas para atenuar os problemas causados pela pandemia. Uma dessas medidas é o pagamento durante três meses da conta de luz de famílias de baixa renda. Essa medida custará cerca e R$900 milhões aos cofres públicos.

Governo vai gastar R$900 mi para pagar conta de luz de quem é baixa renda
Governo vai gastar R$900 mi para pagar conta de luz de quem é baixa renda (Foto: Google)

A medida que trata deste assunto já está concluída e deve ser publicada nos próximos dias, segundo informações de fontes que estavam nas discussões. A última vez que o governo encaminhou recursos do Tesouro Nacional para pagamento de contas de luz foi em 2014.

Leia Mais: Começou! Benefício de R$600 já pode ser sacado; veja quem recebe

Esta decisão aumentou o programa Tarifa Social de Energia Elétrica que funciona atualmente de forma escalonada. O desconto dado sobre a tarifa de cada distribuidora de energia varia de acordo o nível de consumo das casas: 65% de desconto para consumo de até 30 kWh por mês, 40% (31-100 kWh) e 10% (101-220 kWh).

Com a medida, durante três meses as famílias inscritas no programa não terão que pagar conta de luz, gerando um respiro no orçamento neste período.

O Ministério de Minas e Energia projeta que esta isenção no pagamento das contas de luz para as famílias mais humildes, vai ser responsável por aliviar as despesas de cerca de 9 milhões de famílias nos próximos três meses.

Com este dinheiro a mais que sobrará no orçamento, as famílias poderão se preparar melhor para os impactos econômicos trazidos pelo coronavírus.

Para ter direito ao benefício da Tarifa Social, o consumidor precisa estar inscrito no Cadastro Único para Programas Sociais do governo federal (CadÚnico) e sua renda familiar mensal per capita precisa ser menor ou igual a metade salário mínimo vigente (R$ 522,50).

Idosos com 65 anos ou pessoas com deficiência, que recebam o Benefício de Prestação Continuada (BPC) também podem ser incluídos na Tarifa Social.

No mês de março, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) proibiu o corte no fornecimento de consumidores que estejam inadimplentes num prazo de 90 dias.

Leia Mais: Posso receber o auxílio emergencial com o Cartão Cidadão? Veja!

A medida irá custar R$ 1,2 bilhão no total, ou seja, mais do que o aporte da União. Por este motivo, o complemento deve vir de sobras de recursos do fundo setorial da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE).

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Paulo Amorim
Paulo Henrique Oliveira, formado em Jornalismo pela Universidade Mogi das Cruzes e em Rádio e TV pela Universidade Bandeirante de São Paulo, atua como do redator do portal FDR produzindo matérias sobre economia em geral e também como repórter do site Aparato do Entretenimento cobrindo o mundo da TV e das artes.
×

Este cartão de crédito sem anuidade está selecionando pessoas para receber possível limite agora!

VER AGORA