Pacotão Social aprovado no Senado estimula criação de novo programa no Brasil

De acordo com especialistas, a inclusão de diversas categorias no projeto de beneficiários do auxílio emergencial de R$600 a serem pagos pelo governo por três meses, pode ser o primeiro passo para a criação de um projeto permanente de renda básica no país. O Senado aprovou o texto e batizou a medida de ‘Pacotão Social’. 

Pacotão Social aprovado no Senado estímula criação de novo programa no Brasil
Pacotão Social aprovado no Senado estimula criação de novo programa no Brasil (Imagem:Reprodução/Google)

Inicialmente, o Pacotão Social foi responsável por incluir mais 19 categorias no pagamento do auxílio. E o seu foco é se voltar para aqueles que são considerados os mais vulneráveis. Depois disso, serão inseridas outras pessoas. 

Leia Também:Contribuinte individual do INSS tem data para receber voucher de R$600; confira!

Em entrevista ao jornal O Globo, o presidente da Rede Brasileira de Renda Básica, Leandro Ferreira, acredita que essas pautas devem ganhar força logo após a pandemia de coronavírus.

“Essas iniciativas, como a que está sendo implementada no Brasil, vão pautar esse debate, que deve ganhar força para que esse tipo de medida ganhe caráter permanente e seja o mais universal possível” avalia Leandro.

Para ele, a criação de mecanismos de pagamento e do cadastramento de mais pessoas deve fazer com que mais brasileiros cobrem do estado esse direito. 

Ferreira afirma que a expectativa era que o Bolsa Família se transformasse em um programa mais amplo. Hoje, o projeto atinge pessoas com renda mensal inferior a R$ 89, na primeira faixa, e de R$ 178 na segunda.

O programa auxilia atualmente, 13 milhões de famílias, cerca de 40,8 milhões de pessoas e custa R$29 bilhões anuais aos cofres públicos. 

“Já chegou a atender 14 milhões de famílias, mas agora deve crescer. Esses programas de transferência de renda vão se aperfeiçoando e crescendo, e virando uma renda básica”, disse Ferreira.

Já para a economista Margarida Gutierrez, professora do Coppead/UFRJ, o governo precisa adotar um programa de renda mínima. Mas, essa discussão precisa ser feita em outro momento.

Leia Também: CRISE! Gás de cozinha em SP diminuí número de botijões e preço sobe

“O modelo de transferência de renda vai ter capilaridade e ser operacional. É uma estrutura que o país pode utilizar se quiser adotar a renda mínima. Mas essa discussão não pode ser feita no olho do furacão de uma crise como a que estamos vivendo. Entendo que essas medidas vão vigorar durante o tempo que a crise exigir, mas as decisões do que pode ficar permanente, inclusive renda mínima, deve ser tomada em outra ocasião” diz Gutierrez.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Jheniffer Freitas
Jheniffer Aparecida Corrêa Freitas é formada em Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes. Atuou como assessora de imprensa da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo e da Secretarial Estadual da Saúde de São Paulo. Atualmente, é redatora do portal FDR, produzindo pautas sobre economia popular e finanças.
×

Este cartão de crédito sem anuidade está selecionando pessoas para receber possível limite agora!

VER AGORA