Taxa do seguro desemprego será adiada e não começará em Março

Apesar da medida provisória que incluí a taxa do seguro-desemprego por meio de contribuição previdenciária já estar em vigor, o Ministério da Economia informou que a cobrança ainda não será realizada neste momento. Segundo a pasta, são necessárias algumas modificações para que o desconto comece a valer. 

Taxa do seguro desemprego será adiada e aguarda regulamentação 
Taxa do seguro desemprego será adiada e não começará em Março  (Imagem:Reprodução/Google)

A medida fixa que a contribuição sobre o seguro-desemprego fique entre 7,5% a 11%. De acordo com o texto, o beneficiário pode utilizar o tempo em que seu benefício for taxado para a sua aposentadoria. 

Leia Também: Valor do seguro desemprego 2020 muda com novas parcelas

O G1 questionou o Ministério da Economia, sobre quais as mudanças precisam ser realizadas antes do desconto começar a valer.

O órgão informou que “A cobrança de contribuição previdenciária sobre o seguro-desemprego depende de regulamentação, especialmente em relação à categoria de segurado obrigatório e alíquota. Já há previsão na modernização do Regulamento da Previdência, em fase final de tramitação. Após regulamentação, serão necessários atos concretos para operacionalizar a cobrança”.

A taxa do seguro desemprego foi criada junto com o Programa Verde e Amarelo, anunciado no mês de novembro do ano passado, como uma medida cujo objetivo seria criar vagas de emprego para jovens que têm entre 18 a 29 anos.

Nessa opção, os selecionados teriam acesso ao seu primeiro emprego formal com remuneração de até um salário mínimo e meio, ou seja, que seja de até R$1.567,50.

No mês de dezembro do ano passado, em uma audiência pública no Congresso Nacional, o então secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, que atualmente é o ministro do Desenvolvimento Regional, admitiu que a comunicação do governo não foi eficaz sobre essa taxação. Isso fez com que a medida fosse alvo de críticas da sociedade e de parlamentares. 

Para ele, deveria ter sido reforçado que o recebimento da taxa do seguro-desemprego contaria como tempo para aposentadoria, e isto pode ser considerado positivo para o trabalhador. Naquele momento, ele também avaliou que o Legislativo poderia mudar essa proposta caso desejasse.

O relator da medida, o deputado Christino Aureo (PP-RJ), apresentou um parecer favorável à aprovação dessa medida, porém com algumas alterações. 

No caso da contribuição, ela passaria a ser opcional. Porém, o relatório ainda não foi votado. A próxima reunião da comissão mista está marcada para acontecer hoje, terça-feira (3).

Leia Também: Auxílio doença cancela pagamento para quem ganha menos que R$1.045

As novas regras começam a valer no momento em que a medida for publicada no Diário Oficial da União (DOU). Porém, precisa ser aprovado em até 120 dias pelo Senado e Câmara, senão perde a validade.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Jheniffer Freitas
Jheniffer Aparecida Corrêa Freitas é formada em Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes. Atuou como assessora de imprensa da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo e da Secretarial Estadual da Saúde de São Paulo. Atualmente, é redatora do portal FDR, produzindo pautas sobre economia popular e finanças.
×

Este cartão de crédito sem anuidade está selecionando pessoas para receber possível limite agora!

VER AGORA