INSS: servidores vão protestar contra decisão do governo; entenda o motivo

Os servidores do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) de todo o país devem se reunir nos grandes centros para promover um protesto na manhã desta sexta-feira (14), contra uma decisão do governo. As informações estão sendo divulgadas entre a mídia. 

INSS: servidores vão protestar contra decisão do governo; entenda o motivo
INSS: servidores vão protestar contra decisão do governo; entenda o motivo (Imagem: Reprodução / Google)

Um dos motivos principais para esse protesto é a contratação dos 7 mil militares que foi permitido pelo decreto 10.2010/2020. E que devem atuar nos guichês de atendimento das agências da Previdência Social. 

Os servidores são contra essas contratações, o motivo é que os militares não estariam aptos para realizar o atendimento especializado.

Leia também: INSS muda regras da pensão por morte; saiba como fica

Além disso, o protesto tem como objetivo lutar por melhorias no atendimentos e nos serviços que são prestados à população.

Em São Paulo a manifestação está sendo organizada pelas centrais sindicais. O protesto acontecerá em frente à agência do INSS que está localizada na Rua Xavier de Toledo, 280, região central. O ato está marcado para iniciar às 9 horas.

Depois, os servidores irão seguir em caminhada até a superintendência do INSS, que fica no Viaduto Santa Efigênia.

De acordo com Moacir Lopes, que é diretor da Federação Nacional dos Sindicatos dos Trabalhadores em Saúde, Trabalho, Previdência e Assistência Social (Fenasps). A última audiência entre o governo e a categoria não avançou.

“O novo presidente do INSS [Leonardo Rolim] confirmou que vão publicar medida provisória para regulamentar a contratação de servidores aposentados da União, mas insistem na tese de convocar civis e militares”, afirma Lopes.

As falhas que vem acontecendo no atendimento do órgão, atingem diretamente a população e isso acarretou em uma fila de 2 milhões de pedidos na fila de espera por uma resposta.

Desses, 1,3 milhão estão a mais de 45 dias, que é prazo estipulado por lei para que seja definida uma resposta. 

Um dos motivos que acarretaram nessa demora foi a diminuição no número de funcionários que caiu de 33 mil para 23 mil entre os anos de 2016 até 2019.

À isso, foi somada a reforma da Previdência e a adaptação com os sistemas para que os pedidos sejam analisados de forma mais ágil.

O governo também pretende contratar os servidores que já estão aposentados. Esses receberão R$57,50 por pedido avaliado, valor pago hoje como um bônus de desempenho a servidores que trabalham fora do seu expediente.

Leia também: Saque do PIS vai começar nesta quinta-feira; veja quais serão os contemplados

Além disso, os ex-servidores especializados em atender e fazer triagem de documentação, não irão fazer análise de requerimentos. A expectativa do governo é que até o mês de outubro esse estoque de benefícios reduza.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Jheniffer Freitas
Jheniffer Aparecida Corrêa Freitas é formada em Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes. Atuou como assessora de imprensa da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo e da Secretarial Estadual da Saúde de São Paulo. Atualmente, é redatora do portal FDR, produzindo pautas sobre economia popular e finanças.
×

Este cartão de crédito sem anuidade está selecionando pessoas para receber possível limite agora!

VER AGORA