Tabela do INSS é atualizada para 2020; veja como ficou

Os segurados da Previdência Social, a partir desse ano de 2020, terão uma nova tabela do INSS referente a contribuição. Esta foi corrigida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), que no ano de 2019 ficou em 4,48%.

Tabela do INSS é atualizada para 2020; veja como ficou
Tabela do INSS é atualizada para 2020; veja como ficou

Após a correção o teto do INSS passou de R$5.839,45 para R$6.101,06. O novo valor entrou em vigor no dia 1º de janeiro deste ano, logo o pagamento do mês de janeiro já inclui a nova faixa salarial.

Leia também: INSS: entenda como o atraso na liberação do benefício pode ser prejudicial

E mais, mesmo que o trabalhador receba um salário superior ao teto, a contribuição será calculada apenas sobre os R$6.101,06.

Por lei, o piso das aposentadorias é definido sempre pelo salário mínimo, que atualmente  é de R$1.039 em janeiro e subirá para R$1.045 em 1° de fevereiro.

Os reajustes nos benefícios trazem mudanças nas faixas de cálculo das contribuições mensais pagas pelos trabalhadores ao Instituto. 

Os salários de janeiro, por exemplo, na qual a contribuição será recolhida até o dia 29 de fevereiro. As alíquotas da tabela do INSS passaram a ser :

  • 8% para quem ganha até R$ 1.830,29;
  • 9% para quem ganha entre R$ 1.830,30 e R$ 3.050,52;
  • 11% para quem ganha entre R$ 3.050,53 a R$ 6.101,06.

Mas, para os pagamentos que serão realizados a partir de março, nos quais serão usadas a tabela com as novas regras impostas pela reforma da Previdência, as cobranças serão de :

  • 7,5% até um salário mínimo (R$ 1.039,00);
  • 9% para quem ganha entre R$ 1.039,01 R$ e 2.089,60.
  • 12% para quem ganha entre R$ 2.089,61 e R$ 3.134,40.
  • 14% para quem ganha entre R$ 3.134,41 e R$ 6.101,06.

Apesar disso, é preciso lembrar que após a aprovação da reforma, as cobranças passarão a ser progressivas, ou seja, ela será cobrada apenas sobre a parcela do salário que se enquadrar em cada faixa. Com isso, o percentual pode ser diferente. 

Veja um exemplo: Um trabalhador que recebe R$ 1.500 mil deverá pagar 7,5% sobre R$ 1.039, ou seja, R$ 77,92, além disso, mais 9% sobre os R$ 461 que excedem esse valor, ou seja R$ 41,49. No total, o trabalhador pagará R$ 119,41, o que corresponde a 7,96% do seu salário.

 

Você gostou deste conteúdo? AVALIE:

Avaliação média: 0
Total de Votos: 0

Tabela do INSS é atualizada para 2020; veja como ficou

Jheniffer Freitas
Jheniffer Aparecida Corrêa Freitas é formada em Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes. Atuou como assessora de imprensa da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo e da Secretarial Estadual da Saúde de São Paulo. Atualmente, é redatora do portal FDR, produzindo pautas sobre economia popular e finanças.
×

Este cartão de crédito sem anuidade está selecionando pessoas para receber possível limite agora!

VER AGORA