INSS podia prever início de crise nos benefícios, afirma documento

O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), já havia estudado e apontado há pelo menos seis meses a necessidade de contratar novos servidores para que as filas de benefícios fossem zeradas. A informação foi repassada pelo Jornal O Globo após ter acesso a um documento produzido pelo próprio INSS. 

INSS podia prever início de crise nos benefícios? Veja a posição do Instituto 
INSS podia prever início de crise nos benefícios? Veja a posição do Instituto

Seriam necessário ao menos 13,5 mil novos servidores para atender os 1,4 milhões de processos que eram estimados, a informação foi registrada em um documento oficial do órgão, mas não foi o suficiente para que o problema fosse resolvido. 

Veja também: Calendário de pagamento do INSS começa na próxima semana; confira as datas!

Porém, a crise ganhou novos números, já que os processos aumentaram para 2 milhões no início deste ano, o que fez aumentar ainda mais o tempo médio para a aprovação do benefício. 

Esse número de servidores seriam necessários para a análise dos pedidos, com isso o prazo de 45 dias seria respeitado.

Além disso, essa contratação seria equivalente a quase o dobro dos militares da reserva, que serão 7 mil prometidos pelo governo para tentar reduzir a fila. 

A medida precisa ainda da edição de um decreto pelo presidente Jair Bolsonaro. Os servidores de área previdenciária criticaram essa ideia do governo, principalmente por estar focada no atendimento presencial, enquanto o problema está na digitalização do processo de requerimento e análise de benefícios.

Em uma resolução publicada no Diário da União em 26 de julho de 2019, as informações sobre a necessidade de servidores foi detalhada. Porém, o anexo foi retirado do diário oficial e foi publicada apenas nas redes internas do INSS.

A parte em que se trata da necessidade de mais de 13,5 mil servidores foi reproduzido em uma auditoria da Controladoria-Geral da União (CGU), que foi concluída no mês passado.

“Seriam necessários mais de 13,5 mil servidores para atender a demanda de novos requerimentos no prazo legal, além do estoque apurado”, cita o anexo da resolução, de acordo com o relatório da CGU.

Esse número fez parte de um estudo interno que embasou a edição da resolução em julho. De 24 mil servidores do Instituto, apenas 3,4 mil, ou seja 14% atuavam apenas para analisar os benefícios.

Dados do INSS mostraram o aumento no tempo de espera para o benefício do ano de 2019, de 65 dias em janeiro para 86 em agosto. Um acréscimo de um terço no tempo de espera.

Jheniffer FreitasJheniffer Freitas
Jheniffer Aparecida Corrêa Freitas é formada em Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes. Atuou como assessora de imprensa da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo e da Secretarial Estadual da Saúde de São Paulo. Atualmente, é redatora do portal FDR, produzindo pautas sobre economia popular e finanças.