Alta do petróleo: Bolsonaro fala sobre a contenção do combustível em cenário polêmico

A briga entre os Estados Unidos e o Irã poderá pesar no bolso dos brasileiros por conta da expectativa pela alta do petróleo. Nessa sexta-feira (3), o presidente Jair Bolsonaro concedeu uma entrevista falando sobre o cenários de instabilidade e as medidas que irá tomar para conter o preço do combustível no território nacional.

Alta do petróleo: Bolsonaro fala sobre a contenção do combustível em cenário polêmico
Alta do petróleo: Bolsonaro fala sobre a contenção do combustível em cenário polêmico

Saindo do hospital onde visitava sua esposa, Michelle Bolsonaro, o presidente conversou com alguns jornalistas a respeito da crise entre os dois países e como o Brasil irá se portar mediante a situação.

Veja também: Valor do etanol no RS surpreende em pesquisa com índice recorde

Segundo ele, o conflito não será intermediado pelo governo brasileiro, que seguirá apenas acompanhando o caso. Ao ser questionado sobre o aumento no preço dos combustíveis, ocasionados pela briga, Bolsonaro informou que deverá tomar uma medida de contenção.

“Eu converso com o almirante Bento [ministro de Minas e Energia], com o presidente da Petrobras e com o Paulo Guedes [ministro da Economia] e nós temos uma linha de não interferir, mas acompanhar e buscar soluções.”

Com o aumento da tensão entre os EUA e o Irá, a alta do petróleo fechou com crescimento de 3,6%, ficando por US$ 68,60. Um dos jornalistas presentes o questionou: “Presidente, e se o preço do petróleo não parar?”.

Em resposta, Bolsonaro afirmou que será preciso tomar uma providência. “Se? Você começa com ‘se’. ‘Se’, tem que tomar providência. A Petrobras está se recuperando do que sofreu nos últimos anos, em especial no governo do PT”, alertou.

Ao ser questionado sobre quais ações faria para resolver a elevação do preço, o parlamentar ressaltou a importância da participação dos governadores estaduais.

Exemplificando que um aumento de 20% no preço do combustível também afeta o crescimento do imposto ICMS, e que a ajuda do governadores seria necessária. Já que, segundo alertou o presidente, “Quando você mexe em combustível, toda nossa economia é afetada”.

Agenda de resoluções

Ainda de acordo com o presidente, na próxima semana será realizada uma reunião com sua equipe.

A pauta em debate será o conflito entre os países e as formas de conter o preço do petróleo. Bolsonaro reforçou que não se pode deixar a Petrobras enfrentar uma nova crise e que por isso precisa de uma ação imediata.

“A coisa que mais nos preocupa é uma possível alta do petróleo, que está em torno de 5% no momento. Conversei com o presidente da Petrobras e a exemplo do que aconteceu na Arábia Saudita, no ataque de drones, que em poucos dias voltou à normalidade, a gente espera que aconteça agora também”, afirmou.

Eduarda AndradeEduarda Andrade
Maria Eduarda Andrade é mestranda em ciências da linguagem na Universidade Católica de Pernambuco, formada em Jornalismo pela mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguística, com foco na Análise Crítica do Discurso. No mercado de trabalho, passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de assessorar marcas nacionais como Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR.