Cálculo “Revisão da vida toda”: como saber se tem direito?

Na última semana, o STJ aprovou à medida que autoriza a mudança na aposentadoria dos trabalhadores que estavam no mercado de trabalho antes de julho de 1994. Intitulada de revisão da vida toda, a MP permite que esse grupo passe por reajustes o valor do benefício e recebam acima do piso dos demais assegurados.

Cálculo
Cálculo “Revisão da vida toda”: como saber se tem direito?

Serão beneficiados aqueles que trabalharam de carteira assinada e prestaram conta ao INSS sobre os salários mais altos.

O projeto permite que o aposentado entre com um pedido de revisão no valor do benefício para que sejam inclusos todos os salários no cálculo da média que vai conceder a aposentadoria, especialmente os pagos antes de julho de 1994, período de validação do Plano Real.

Leia também: Novo prazo sobre pedidos do INSS é definido; veja como ficou

Hoje em dia, os pagamentos são calculados de acordo com o valor do real e não levam em consideração as moedas anteriores, o que deixa os servidores mais antigos em desvantagem.

Cálculo da revisão da vida toda

O trabalhador registrado no INSS até 26 de novembro de 1999 deve contar com 80% das maiores contribuições realizadas a partir de julho de 1994.

Quem deu inicio a contribuição depois do dia 27 de novembro de 1999 e se aposentou até novembro de 2019 vai contar com a mesma porcentagem do salário, em 80%, só que a partir de novembro de 1999.

No caso do aposentado que teve seu salário concedido depois de 13 de novembro de 2019, o reajuste levará em consideração todas as contribuições feitas depois de julho de 1994.

Prazo para solicitar o reajuste

O INSS determinou um prazo máximo de até 10 anos para quem quiser solicitar o acréscimo. Nesse caso, quem se aposentou antes de 2009 já não pode mais dar entrada no pedido. Os assegurados desse ano têm até o dia 31 deste mês para solicitar.

Se o processo for aprovado, o trabalhador terá direito de receber os valores atrasados dos últimos 5 anos e a partir da validação o seu benefício será depositado com a nova quantia determinada. Os pagamentos são feitos diretamente nas contas fornecidas ao INSS que não precisarão ser modificadas.

Eduarda AndradeEduarda Andrade
Maria Eduarda Andrade é mestranda em ciências da linguagem na Universidade Católica de Pernambuco, formada em Jornalismo pela mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguística, com foco na Análise Crítica do Discurso. No mercado de trabalho, passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de assessorar marcas nacionais como Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR.