Santander faz novas contratações para melhorar investimentos

Novas contratações estão sendo realizadas pelo Banco Santander. As ações fazem parte de uma reformulação na área de negócios de investimento da empresa, e a proposta vem com a intenção estratégica para ganhar participação de mercado.

Santander faz novas contratações para melhorar investimentos
Santander faz novas contratações para melhorar investimentos
publicidade

Para desenvolver a nova oportunidade, o banco realizou incrementos na sua equipe com a contratação de Renato Borang, chefe de fusões e aquisições. A decisão foi do Gustavo Miranda, o responsável da área de investimento do Santander Brasil.

Além desta contratação, Miranda reforçou o time com Pedro Leite da Costa, que colaborou anteriormente no Goldman Sachs e na assessoria financeira One Partners, atuando como chefe de renda variável (ECM).

Leia também: Santander compra fintech Embury e mira nas pequenas empresas

O cenário do mercado atual é de antingimento de altos índices do mercado de capitais. Segundo projeções, no ano de 2020 a tendência é de atingir patamares recordes.

Para Miranda, as previsões se tornam favoráveis e pontos devem ser aproveitados pelo banco: “Pretendemos terminar 2020 em posições de liderança nos rankings de ofertas de ações”, afirmou Miranda.

O Santander Brasil, parte do Banco Santander, ocupa atualmente o 8º lugar no ranking de ações da Refinitiv no Brasil.

Com a expectativa de mais ofertas públicas iniciais destinadas a empresas brasileiras de médio porte. Além de transações por empresas controladas pelo governo.

A migração de renda fixa para ações são vistas de acordo com os investidores. Esse movimento é visualizado por causa de taxas de juros baixos.

Miranda ainda detalha que novas empresas de gestão de ativos foram criadas no Brasil e, por esse motivo, buscam investir em empresas de menor porte.

Outra área também ganha reforço para detalhar as medidas de crescimento. Giovanni Bosco irá liderar a área de energia, incluindo fusões, aquisições e ofertas de ações. Anteriormente, ele estava à frente da unidade de project finance.

Ainda está como perspectiva fusões e aquisições. Sendo vistas de forma positiva, como detalha o responsável pela área do Miranda. Também espera-se volumes maiores no próximo ano.

“Os recursos levantados nas ofertas de ações provavelmente serão usados nas aquisições”, acrescenta o profissional. Privatizações também devem gerar grandes volumes de negócios.

Atualmente, o Santander Brasil ocupa o 4º lugar no ranking de fusões e aquisições. Dados são considerando a Refinitiv do Brasil este ano.

Depois da inclusão do assessoramento da Petrobras em algumas das maiores transações do ano, tendo o número de venda de 8,6 bilhões de dólares da TAG.