Consulta ao último lote da restituição do IRPF estará disponível segunda-feira (9)

A partir desta segunda-feira (9), os brasileiros poderão consultar o sétimo e último lote de restituição do IRPF 2019. Além dos valores do ano passado, a rodada também contemplará as declarações feitas a partir do ano de 2008 que apresentam pendências.

publicidade
Consulta ao último lote da restituição do IRPF estará disponível segunda-feira (9)
Consulta ao último lote da restituição do IRPF estará disponível segunda-feira (9)
publicidade

O pagamento será iniciado na semana seguinte, na segunda-feira (16) e seu valor será creditado na conta bancária fornecida pelo contribuinte.

Segundo dados do governo federal espera-se que cerca de 320.606 brasileiros recebam até R$ 700 milhões nesta cota da restituição do IRPF.

Leia também: Imposto de Renda pode ter isenção “próximo de R$2 mil”, segundo presidente

O calculo do pagamento é feito a partir da taxa básica de juros, a Selic. Seus percentuais variam de 4,4% (maio de 2019) a 112,68% (declarações entregues em 2008).

Como consultar a restituição do IRPF?

Quem desejar saber a quantia exata pode acessar o site da Receita Federal ou ligar para o atendimento pelo número 146. Há também a possibilidade de conferir via aplicativo, disponível na versão IOS e Android.

Basta baixar o Pessoa Física, inserir os dados pessoais, efetuar o cadastro e acompanhar a movimentação. Ele também informa as datas de pagamento e esclarece demais dúvidas sobre o IR.

É importante lembrar que o pagamento da restituição ao cair na conta não sofrerá alterações de valores.

O que fazer se não pagarem a restituição do IRPF?

Quem não tiver recebido, deve entrar em contato com a Receita Federal ou com o Banco do Brasil para se informar se há algum erro no registro.

Para dar entrada no protocolo, basta ir até uma agência do BB ou ligar para a Central de Atendimento: 4004-0001 (capitais), 0800-729-0001 (demais localidades) e 0800-729-0088 (telefone especial exclusivo para deficientes auditivos).

Sobre o Imposto de Renda

Trata-se de um tributo cobrado pelo governo a partir dos gastos realizados pela população. A cobrança varia por pessoa e só passa a ser obrigatória a partir do rendimento de cada uma delas. Anualmente, é preciso que o contribuinte preste contas de todas as suas despesas e da renda que entrou em sua conta.

Pagamento de escola, plano de saúde, universidade, aluguel e até mesmo compras e parcelas de cartão de crédito são levadas em consideração na hora de fazer a declaração.

Devem declarar Imposto de Renda

  • Contribuintes que receberam ao longo de 2019, rendimentos tributáveis(salário, veículo e pensão alimentícia, por exemplo) que totalizaram mais de R$ 28.559,70;
  • Assalariados, aposentados ou pensionistas com renda mensal superior a R$ 1.903,98;
  • Contribuintes que tiveram rendimentos não tributáveis(seguro desemprego, vale transporte e indenização por roubo, por exemplo) acima de R$ 40.000,00.
  • Enquanto isso, para trabalhadores rurais é obrigatório fazer a declaração do imposto de renda, caso o rendimento anual bruto de renda rural tenha sido superior a R$ 128.308,50;
  • Contribuintes que investiram qualquer valor em ações em bolsa, criptomoedas ou similares;
  • Contribuintes com imóvel ou terrenos em suas posses, com valor superior a R$ 300 mil;

 

Eduarda AndradeEduarda Andrade
Maria Eduarda Andrade é mestranda em ciências da linguagem na Universidade Católica de Pernambuco e formada em Jornalismo pela mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguagens. No mercado de trabalho, já passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de ter assessorado marcas nacionais como a Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR.