ANÚNCIO

Publicada em 12 de novembro, Medida Provisória do Programa Verde Amarelo (MP 905/2019) institui que beneficiários do seguro desemprego tenham que pagar uma taxa de imposto ao Governo Federal. A decisão visa arrecadar mais fundos para cobrir investimentos previstos na área trabalhista. Com previsão de início para março de 2020, os descontos no seguro desemprego variam entre 7,%% a 8%

Quem vai ter descontos no seguro desemprego? Entenda aqui
Quem vai ter descontos no seguro desemprego? Entenda aqui
ANÚNCIO

Os profissionais que recebem seguro desemprego terão que pagar pelo menos 7,5% de contribuição previdenciária para o INSS (Instituto Nacional do Seguro Social). O desconto pode passar de 8%, dependendo do valor do benefício. Hoje, eles não pagam nada de INSS. A medida irá atingir todos os beneficiários do seguro.

O valor fica entre R$ 75 e R$ 141, considerando os limites válidos hoje em pagamento do auxílio. Com a implementação, o período em que a pessoa recebe o benefício e há descontos no seguro desemprego, vai contar para a aposentadoria.

Leia também: Taxa do seguro desemprego inclui benefício pago aos pescadores

O dinheiro arrecadado será usado para ocupar o que o Governo deixará de receber das empresas, já que medida provisória alivia a folha de pagamentos para empregadores que contratarem jovens de 18 a 20 anos, com salários de até 1,5 mínimo.

De acordo com a previsão, o objetivo da modificação é criar novas vagas de emprego para esse público, com taxas menos invasivas.

Ou seja, com a nova cobrança será possível arrecadar o valor suficiente para cobrir os gastos da implementação da nova decisão sobre o alívio da cobrança frente à contratação de jovens.

Estima-se que, em cinco anos, com o valor do INSS serão somados R$ 12 bilhões aos cofres público. O valor dos descontos no INSS consegue compensar os mais de R$ 10 bilhões que não vão ser arrecadados nos próximos cinco anos.

Embora o programa de estímulo ao emprego tenha data para acabar, no final de 2022, a taxação do seguro desemprego é permanente. A cobrança, porém, não começa já. Só pode ser feita a partir de março de 2020 — isso se o Congresso ou o Judiciário não derrubarem esse ponto controverso até lá.

Juan Gouveia, formado em jornalismo pela Universidade Católica de Pernambuco (UNICAP). É redator do portal FDR, produzindo pautas sobre economia popular, direitos trabalhistas e finanças diariamente.