O Bradesco fechará cerca de 300 agências no ano de 2020, segundo a rede a medida foi tomada como uma forma de conter o aumento das despesas da instituição, que vem subindo acima do que foi planejado.

Fechamento de 300 agências do Bradesco preocupa correntistas
Fechamento de 300 agências do Bradesco preocupa correntistas

A situação econômica do país está difícil, mais de 12,5 milhões de desempregados e as oportunidades de emprego vem caindo cada vez mais. O Bradesco informou que fechará mais agências até o ano de 2020.

Leia também: Paulo Guedes promete lançar pacote com reforma tributária e econômica

O banco informou que em janeiro, a previsão era de que seus custos aumentassem em até 4% no ano de 2019, mas os nove primeiros meses do ano registrou um aumento de 7,5%, com despesa operacional, administrativa e pessoal.

O segundo maior credor do setor privado do Brasil, este ano, já fechou 50 agências. O plano é fechar mais 100 até o mês de dezembro e mais 300 no ano que vem. O Bradesco fechou o mês de setembro com 4.567 agências.

A instituição financeira divulgou os resultados do terceiro trimestre do ano. O lucro líquido foi de R$5,8 bilhões, uma alta de 16,5%, em comparação com o mesmo período do ano passado, 2018.

Entre os fatores que contribuíram para essa elevação, que deve continuar, foi o programa de demissões voluntárias. O plano foi aderido por mais de 3 mil funcionários, cerca de 3% do quadro de contratados.

O banco vem renegociando condições melhores de contrato de fornecedores e fechando acordos em disputas trabalhistas.

Apesar dessa pressão para baixar os custos, a instituição acredita que a economia no ano que vem será melhor. Com isso será possível a expansão de crédito e receitas geradas pelas buscas de produtos financeiros, como planos de previdência privada.

Há também um recuo na spread, diferença entre o custo de captação dos bancos e a taxa efetivamente cobrada dos clientes.

Isso deve ocorrer de forma mais lenta, além de contar com outros fatores como a ampliação da base de clientes e da oferta de produtos, que determinará a rentabilidade para o banco. Esse retorno sobre o patrimônio do Bradesco está em 20,5% neste ano.

No terceiro trimestre o spread, ficou em 10,5%, comparado ao mesmo período do ano passado.

A carteira de crédito do Bradesco chegou em setembro a R$ 578,3 bilhões, uma expansão de 10,5% em 12 meses, com destaque para o estoque para as pessoas físicas, que cresce cada vez mais.