O governo de Jair Bolsonaro pode anunciar nesta semana a reforma administrativa, que vai alterar as regras para a contratação de novos servidores públicos. O orçamento com funcionários desse categoria é o segundo maior gasto do governo, perdendo apenas para a Previdência. Apenas neste ano R$ 318 bilhões serão usados para custear salários, benefícios e encargos de servidores públicos.

Reforma Administrativa altera início da carreira dos funcionários públicos
Reforma Administrativa altera início da carreira dos funcionários públicos

As medidas a serem alteradas ainda estão em discussão, mas já foi decidido que não haverá demissões de servidores e nem mudança nas regras de estabilidade para quem já atua.

Aos que vão ingressar no serviço público após a reforma, a estabilidade ficará restrita a algumas carreiras. Entre as mudanças, estão aproximação dos salários do funcionalismo público ao do setor privado.

Leia também: O que é preciso entender sobre a nova Previdência: guia com os principais pontos

Essa mudança foi colocada em questão, afinal o levantamento feito em 2017 pelo Banco Mundial, mostra que os servidores federais ganham quase o dobro que um trabalhador do setor privado, ocupando cargo semelhante. A reforma vai atingir também os servidores estaduais e municipais.

Outra mudança é o fim das férias acima de 30 dias, adicionais referentes ao tempo de serviço e redução de jornada sem redução de salário.

Atualmente, os servidores públicos estatuários da administração direta, de autarquias e de fundações públicas tem direito à estabilidade após três anos de exercício efetivo. Isso vale para todos os níveis de poder, União, de estados, do Distrito Federal e dos municípios.

Por conta disso a proposta conta com um regime jurídico para novas contratações de servidores públicos. Está em estudo a contratação de celetistas e de funcionários temporários, que não teriam a estabilidade no cargo, através de concurso público.

Os servidores que já atuam contam com uma tabela de progressão salarial com 13 níveis. A intenção do governo é aumentar os níveis dessa progressão para que os servidores demorem mais para chegar no final de sua carreira.

O número de carreiras também é um ponto que terá alterações, afinal hoje há mais de 300 tipos de carreiras no serviço público. O governo pretende reduzir para 20 ou 30 carreiras. Além disso o governo pensar em aprimorar o sistema de avaliação dos servidores públicos.

Os textos do pacote precisam da versão final do presidente Jair Bolsonaro e depois disso são encaminhados para votação na Câmara dos Deputados e no Senado Federal para votação.