Nesta terça-feira (1°) a Caixa Econômica Federal informou que já foram depositados R$10,1 bilhões em créditos do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS). Nas primeiras duas datas de depósito, 13 e 27 de setembro, que beneficiaram 24,3 milhões de trabalhadores com conta poupança e corrente vinculadas ao banco. Para este público a próxima data de pagamento será no dia 9 de outubro, conforme o calendário que fracionou os depósitos com base no mês de nascimento do beneficiado.

Nesta categoria são pelo menos 33 milhões de pessoas, os trabalhadores sem conta na Caixa e os correntistas que não anteciparam o crédito, poderão receber até R$500 por conta do fundo de garantia a partir do dia 18 de outubro. Os saques são permitidos até 30 de março, sendo opcionais.

Atualmente, existem 260 milhões de contas ativas e inativas do FGTS, destas 80% têm saldo de até R$500. Além da modalidade chamada de saque imediato, permitida para esse ano e que vai beneficiar cerca de 96 milhões de pessoas. A partir de abril do próximo ano os trabalhadores poderão retirar de 5% a 50% do total disponível no fundo, conforme o saldo.

Para optar por essa categoria, os interessados devem notificar a Caixa a partir deste mês de outubro. Caso optem pelo saque anual, o trabalhador que for demitido sem justa causa precisará aguardar dois anos para retornar ao sistema tradicional e receber o valor total da rescisão.

Para 2019, de acordo com a Caixa, são pelo menos R$28 bilhões revertidos para o fundo de garantia. Desde que liberou a medida provisória permitindo os pagamentos, o governo estimou R$42 bilhões de movimentação no país, entre os créditos do FGTS e das cotas do fundo PIS e PASEP.