No última dia 30 de setembro o INSS postou em seu site oficial orientações para que o segurados não esqueçam de realizar a prova de vida anualmente. Sistema que busca evitar fraudes, comprovando que o beneficiado está ativo e deve receber o valor da pensão, seguro ou aposentadoria todos os meses.

O Instituto alerta sobre três formas de realizar o procedimento, em locais diferentes e que podem ser mais confortáveis para o titular do benefício. O primeiro é comparecendo até o banco responsável por creditar o pagamento em conta corrente ou poupança. A data para comparecimento até o local depende da política adotada pelo banco, como alerta a instituição “Existem bancos que utilizam a data do aniversário da pessoa, assim como há os que convocam o beneficiário no mês anterior ao vencimento da fé de vida”, diz o comunicado.

Na agência será preciso levar apenas o documento de identificação pessoal com foto, algumas redes utilizam a tecnologia da biometria com reconhecimento da digital. A outra forma de realizar a prova de vida é utilizando um procurador, isto é, uma pessoa que seja autorizada judicialmente a representar o beneficiado. O INSS permite esse tipo de terceirização no caso de segurados que vivem no exterior, pessoas com mais de 80 anos, e aqueles com dificuldade em se locomover.

Para esse serviço é necessário realizar o agendamento na central 135 ou no aplicativo Meu INSS, informando os dados do procurador. É feito um documento responsabilizando esta pessoa a comparecer até um ponto de atendimento do Instituto para realização da prova de vida.

Também é permitido o agendamento de visita hospitalar e domiciliar para idosos com mais de 80 anos, e segurados que não tenham condições físicas de se locomover. Nesse caso, um agente do INSS comparece até o local indicado para comprovação de vida. Durante o atendimento na central ou no aplicativo para agendar a data, será preciso comprovar a necessidade da visita anexando atestado e perícia médica ou levando até uma agência do INSS os documentos comprovatórios.

Moradores do exterior também podem se apresentar no consulado do Brasil para cumprir com a obrigatoriedade. Deixar de fazer a prova de vida no período de 12 meses faz com que o pagamento seja bloqueado. Em julho de 2019, por exemplo, foram 372,8 mil benefícios suspensos e para o mês de agosto pelo menos 3,4 milhões de pessoas deveriam comparecer até um ponto de atendimento para comprovação de vida.