Fonte: UOL

Na manhã desta terça-feira (1°) a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado aprovou por 17 votos o texto base da reforma da Previdência (PEC 6/19). Entre as medidas está a alteração nos requisitos para que os trabalhadores tenham direito ao recebimento do abono salarial. Uma parcela dos senadores se mostraram contra a modificação, alegando que a restrição prejudicará milhões de pessoas e suas famílias.

Se for aprovada em dois turnos, com início ainda hoje (1°), a PEC fará com que o abono seja concedido apenas para funcionários públicos e privados com rendimento igual ou inferior a R$ 1.364,43 por mês. E não mais aos que têm ganho mensal de até dois salários mínimos.

A emenda para não aceitar essa medida e manter as regras atuais foi rejeitada por 15 votos a dez, de acordo com o portal UOL. A ideia é que as propostas sejam inclusas como emenda na Constituição ainda neste mês de outubro, e passem a valer sobre o funcionamento do PIS e PASEP a partir do próximo ano.

Pelo menos 49 dos 81 senadores, o que representa 3/5, devem concordar com todas as medidas inclusas na reforma para que inicie sua vigência. Além de não modificar a estrutura do texto para que o processo de aprovação não retroceda. Com as propostas firmadas até aqui, o governo acredita que em dez anos haja uma economia de R$876,7 bilhões.