Durante evento realizado pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção (Cbic), o presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, disse que a rede estuda a criação de um financiamento imobiliário com taxa de juros fixa. O ministro da Economia, Paulo Guedes, acompanha os trâmites dessa iniciativa, e juntos eles acreditam que em torno de dois anos a novidade seja lançada no mercado.

“Daqui a um ano e meio, dois anos, a gente começa a emprestar sem correção nenhuma, de IPCA e de TR”, afirmou. Hoje, o mais recente lançamento da Caixa foi o financiamento baseado na inflação (IPCA) com juros que variam de 2,5% a 4,95% por ano e dependem do perfil socioeconômico do trabalhador que contrata o serviço.

Durante a o ocasião, Magalhães aproveitou para divulgar dados significativos a respeito da nova opção de crédito. Segundo ele, em um mês da divulgação do sistema, foram assinados $100 milhões em novos contratos utilizando o IPCA e o banco analisou pelo menos $500 milhões de empréstimos. Em seu site, o simulador realizou 2 milhões de fichas de empréstimo com base nesta linha.

A ideia é que a longo prazo, as cartas de crédito sejam vendidas para investidores do setor. O presidente pretende chegar à marca de $1 bilhão (a demanda é de $30 bilhões), para securitizar metade das cartas. Ele disse que o sistema que utiliza a taxa TR, atualmente zerada, não gera interesse entre os investidores. E considera esta uma opção interessante para movimentar o setor imobiliário, sem depender de recursos vindos do governo e do FGTS.

O financiamento a juros fixos ainda estão em estudo, mas podem ser mais interessantes porque demostrariam instabilidade. O IPCA é variável, e mesmo havendo queda na inflação, o presidente da Caixa admitiu que nos primeiros cinco anos ainda existem possibilidades de crises.