O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) pode pedir que beneficiários indevidos devolvam o dinheiro fraudado caso encontre irregularidade na concessão dos auxílios. O processo é voltado, principalmente, para o pagamento de auxílio doença e aposentadoria por invalidez. Incluindo o nome dos titulares de benefícios irregulares, na dívida ativa da União.

Para não correr o risco de ter sua ficha confundida com um aplicador de fraude, o trabalhador precisa manter atualizado os seus documentos junto ao INSS. Bem como, seus exames médicos e perícias que comprovem sua condição de afastamento ou invalidez permanente, mostrando que faz uso devido do dinheiro que recebe todos os meses.

O início do sistema de análise começa com as avaliações de perícias médicas realizadas nos últimos seis meses, conforme afirma o portal de notícias O Dia. De acordo com o site, a Secretaria de Previdência Social informou à reportagem que já foram selecionados os primeiros pedidos para avaliação.

A equipe da Previdência vai analisar os casos, e convocar os segurados com algum tipo de convergência nas informações a comparecer até uma agência apresentando documentos que comprovem seus direitos. Para isso, serão feitas análises em diversos bancos de dados federais e de sistema privados, a fim de cruzas as informações.

O governo estima que em longo prazo, cerca de 10 anos, o pente fino renda aos cofres uma recuperação de R$220 bilhões. As convocações começarão a partir de outubro, e quando notificado cabe ao segurado agendar uma nova perícia na agência mais próxima. Por meio do telefone 135 ou no portal e aplicativo Meu INSS. Estando com todos laudos médicos, exames e receitas em dia, não há o que temer.