Tem circulado nas redes sociais, principalmente no WhatsApp, um áudio afirmando que junto com a aprovação da reforma da Previdências direitos trabalhistas e previdenciários serão cancelados. Por exemplo, o pagamento do abono salarial, licença remunerada e o Seguro Desemprego. As informações fazem parte de uma disseminação de fake news, isto é, notícia falsa.

Entre as medidas propostas no texto da reforma estão as mudanças no tempo de contribuição, idade mínima para aposentadoria, e alíquotas de contribuição. Entre tanto, não faz parte das alterações impedir que os trabalhadores deixem de receber seus benefícios. A Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia se pronunciou afirmando que a mensagem é falsa, e que a proposta da PEC 6/19 mantém todos os benefícios.

Enquanto ao abono salarial, ao contrário do que diz a mensagem, a secretaria esclarece que ele não será cancelado, mas o texto prevê alteração no público beneficiado. Atualmente, podem receber o salário extra trabalhadores com rendimento de até 2 salários mínimos, a ideia é que a medida modifique essa proposta concedendo o abono aos que ganham até R$ 1.364,43.

Hoje, a nova previdência depende da análise do Plenário do Senado para aprovação como emenda na Constituição Federal. Serão dois turnos de votação previstos para os próximos dias, a ideia é que até o início de outubro a PEC seja aprovada pelos senadores. Para isso, o texto base não pode ser modificado, tanto que possíveis alterações foram inclusas em uma PEC paralela iniciada pelo senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), relator da proposta no CCJ do Senado.

As orientações oficiais são para que a população não compartilhe o áudio que não retrata o verdadeiro cenário das propostas da Previdência. Veja um trecho do que diz a mensagem.

Pessoal, bom dia. Nesse dia terrível, de pós-aprovação do ferro da previdência, da nova previdência, eu tô gravando esse áudio para mostrar a vocês o que foi aprovado, quais foram as propostas, o que vai mudar na nossa vida, na vida de todo mundo, tá? De cara, foi aprovado o fim do seguro-desemprego, o fim do PIS. Foi aprovado também o fim da licença remunerada pelo INSS. Aquelas pessoas que se acidentarem, ficarem de licença médica, qualquer coisa, qualquer problema de saúde que elas tiverem, não vai não vão ficar, não vai haver mais essa [licença] médica remunerada. Acabou.