Ao todo, já foram inclusas 376 propostas para a emenda; prazo final para senadores protocolarem novas medidas é até terça-feira (3)

No próximo dia 4 de setembro, a Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) do Senado deve realizar a votação referente a PEC 6/19, a Reforma da Previdência, discutida nas últimas semanas dentro da Casa. Desde o dia 28 de agosto, quando o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) leu o relatório referente as audiências públicas realizadas pela CCJ, foram inclusas outras 376 medidas de mudanças na emenda.

Até um dia antes do início da votação os senadores podem protocolar novas propostas, o prazo final é no dia 3 de setembro, já que a assembléia acontece no dia 4. De acordo com a Agência do Senado, em entrevista na semana anterior, a presidente do CCJ, Simone Tebet (MDB-MS), acredita que o processo seja finalizado até às 16h e 17h horas da quarta-feira, as discussões começam às 9h.

Mudanças mais significativas serão inclusas em uma PEC paralela, segundo o senador Jereissati. Impedindo que o texto base da reforma volte para a Câmara dos Deputados para nova votação, e atrase a aprovação da nova Previdência que deve acontecer ainda esse ano. A emenda paralela depende ainda do apoio de 27 senadores para iniciar o processo legislativo.

Depois de votada no CCJ, a PEC 6/2019 segue para o Plenário do Senado em que vão acontecer dois turnos de votação. No primeiro momento são cinco sessões para discutir sobre o assunto, e três para o segundo turno. A expectativa é que até o dia 10 de outubro o texto tenha sido aprovado e possa ser sancionado como emenda na Constituição Federal.