Áreas como indústria e serviços mostraram índices de crescimento, enquanto a agropecuária despencou 0,4%

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgou os dados oficiais do Produto Interno Bruto (PIB) referente ao segundo trimestre de 2019. Comparado ao registro dos três primeiro meses, o índice cresceu 0,4% aumentando as expectativas de que o PIB termine o ano próximo aos 1%.

Os setores que influenciaram nessa alta foram as áreas da indústria com 0,7% e os serviços em 0,3%. Ao todo, o saldo foi maior do que o esperado pelo mercado que previa acréscimo de 0,2%, segundo pesquisas da Reuters. São dois anos seguidos de rescisão, isto é, a queda do PIB e a consagração da crise econômica que atingiu diversos setores do país.

Em entrevista concedida nessa quinta-feira (29), Mansueto Almeida, secretário do Tesouro Nacional, acredita que a comemoração para esse feito ainda deve ser mais tímida. Esperando que marque o início de melhores resultados.

Não dá pra soltar fogos com o resultado de um trimestre. Mas é maior do que todo o mercado estava esperando, é um certo alívio”

Na medição, ganhou destaque o resultado positivo do setor de construção civil que alavancou também a industria como um todo. Marcando 1,9% contra o índice do primeiro trimestre. Em contra partida, a agropecuária caiu 0,4% devido a queda da safra e café. O consumo das famílias também tem caminhado para recuperação e cresceu 0,3%.

O PIB mostra o andamento econômico do país, seus ganhos e investimos e reflete em todos os setores, esse é um dos mais importantes marcadores da economia. Influenciando, por exemplo, na quantia definida para o salário mínimo dos próximos anos. Segundo o G1, em conversa com a equipe o portal, a gerente de contas nacionais do IBGE informou que a recuperação econômica do país, desde as perdas em 2016, é de apenas 3,17%.

Gráfico: Portal G1