Os trabalhadores que optarem pela modalidade saque-aniversário, poderão usar o fundo de garantia no pagamento do empréstimo.

A liberação parcial do saque do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), foi feita em duas modalidades. Para 2019, ficam disponíveis retiradas de até R$500 por conta do trabalhador. Em 2020, além de utilizar de 5% a 50% do valor disponível no fundo. Também serão garantidos empréstimos utilizando como pagamento o ganho anual do FGTS.

Aderindo ao processo, quando conceder o empréstimo a rede bancária vai debitar o crédito do saque-aniversário como forma de pagamento. Nesse caso, o trabalhador vai pagar com juros um valor que está disponível em sua conta, mas que não pode retirar a qualquer momento.

Por isso, para quitar as dívidas e em casos de necessidade imediata, a adesão pode ser bem utilizada. Em entrevista ao portal G1, Janser Rojo, da Associação Brasileira de Planejadores Financeiros (Planejar). Disse acreditar que nos casos específicos essa pode ser uma boa solução ao trabalhador.

Se esse crédito realmente for mais barato e a pessoa precisar do dinheiro na mão para liquidar alguma dívida, essa opção de crédito por garantia se torna vantajosa, disse Rojo.

O governo acredita que as concessões de créditos gerem ao país cerca de R$150 bi em financiamentos, pelo menos nos próximos dois anos. A escolha pela modalidade saque-aniversário deve ser comunicada à Caixa Econômica Federal a partir de outubro de 2019. Para que a rede possa se preparar sobre a demanda de pagamentos.

Em contra partida, essa opção não permite que o funcionário saque a quantia total da rescisão em caso de dispensa. Tornando a conta inativa, e sendo necessário aguardar dois anos de carência, para retornar a modalidade atual. Esse é um ponto a ser pensado, quando coloca o crédito como garantia em empréstimos.

Os juros vão depender das redes bancárias, mas a promessa é que sejam mais vantajosos do que o comum. Principalmente nas agências da Caixa, responsável por creditar os pagamentos do FGTS.

Hoje, o fundo pode ser utilizado apenas em caso de doenças terminais, aposentadoria, demissão sem justa causa e na compra ou financiamento de imóveis próprios.