O fim das renegociações aconteceria em julho, mas em publicação no Diário Oficial da União o prazo foi estendido até 10 de outubro de 2019.

Os brasileiros que contaram com o Fundo de Financiamento Estudantil (FIES) para cursar o ensino superior, finalizaram sua formação, aguardaram o prazo de carência para início do pagamento, e assinaram o contrato até o segundo semestre de 2017. Poderão renegociar suas dívidas até 10 de outubro desse ano, o Ministério da Educação (MEC) decidiu prorrogar o prazo por mais três meses. O período inicial era em julho.

A ideia é que as pessoas com a dívida atrasada em mais de 90 dias, possam parcelar o débito em no mínimo 48 parcelas. Antes dessa decisão, o pagamento era obrigatoriamente feito à vista. O MEC informou que são mais de 500 mil alunos inadimplentes, totalizando um atraso de R$11,2 bilhões. A negociação é realizada diretamente no banco em que foi assinado o contrato de financiamento.

Conforme as regras, o devedor precisa pagar uma parcela de entrada equivalente a 10% do débito ou de R$1.000, vale o que tem valor mais alto. O restante pode ser parcelado em pelo menos 48 parcelas, desde que seja de no mínimo R$200,00 cada. Caso a quantia ainda fique alta, o estudante pode dividir o débito em mais parcelas, respeitando o limite mínimo de valor.

Por exemplo, quem formou uma dívida de R$9.500 vai pagar R$1.000 de entrada, pois é maior do que 10% do valor (R$950,00). E poderá parcelar o restante do débito em pelo menos 42 parcelas de R$202,38 para que seja atingido o mínimo no parcelamento.