Apresentação

A apicultura vem ganhando espaço no Brasil como uma atividade rentável, pois apresenta retorno rápido do capital investido; além disso, as condições climáticas são bastante favoráveis ao desenvolvimento das abelhas do gênero Apis.

Além dos produtos que as abelhas fornecem – mel, cera, própolis, geleia real, apitoxina (veneno); – elas são um dos principais agentes de polinização, podendo inclusive serem criadas consorciadas com diversas culturas como a do cajueiro, onde proporcionam uma melhor polinização o que, provavelmente, aumentará o rendimento da cultura. Ainda se desenvolve paralelamente a esta atividade da indústria apícola, um comércio de núcleos de abelhas-rainha.

A atividade apícola pode ser desenvolvida em pequenas áreas com uma exigência mínima em mão de obra, requerendo apenas do apicultor um manejo adequado que atenda às condições necessárias para o bom desenvolvimento dos cortiços.

Resumimos, neste Manual, informações básicas sobre apicultura, procurando obedecer uma sequência lógica, que venha fornecer uma melhor compreensão de todas as etapas indispensáveis ao sucesso de quem está se iniciando na atividade apícola.

Por tratar-se de assunto tão rico em detalhes, limitamo-nos a comentar questões mais presentes no dia a dia de um apicultor. Procuramos sempre norteá-lo no caminho da coerência, evitando assim, os riscos que possam conduzir o seu empreendimento ao insucesso.

Atentos a estas informações preliminares os interessados em apicultura podem complementar seus conhecimentos através da prática no próprio apiário, como também buscando manter um contato permanente com apicultores mais experimentados.

Veneno: designação genérica de substância que ministrada por qualquer via ou desenvolvida no próprio corpo, causa lesão orgânica ou distúrbio funcional pela ação bioquímica que exerce. ou desenvolvido no próprio corpo, causa lesão orgânica ou distúrbio funcional pela ação bioquímica que exerce.

Apitoxina: veneno liberado pelas abelhas.